Agenda de Arte

Exposição / Leilão - Artistas Solidários com Pedrógão Grande
Evento finalizado
14
sep 2017
16
sep 2017

Compártelo en redes

Cuándo: 14 sep de 2017 - 16 sep de 2017
Inauguración: 14 sep de 2017 / 16:00
Dónde: Rua Pintor Júlio Resende, 105 / Rua Pintor Júlio Resende, 105 / Gondomar, Porto, Portugal
Organizada por: Lugar do Desenho - Fundação Júlio Resende

Descripción de la Exposición

O Lugar do Desenho – Fundação Júlio Resende e os Artistas Solidários com Pedrógão Grande, convidam Vª Exª para a inauguração da EXPOSIÇÃO / LEILÃO dos trabalhos doados para apoio às vítimas desse trágico acontecimento, a realizar no dia 16 de Setembro (sábado) às 16h, Rua Pintor Júlio Resende, 105 em Valbom, Gondomar. Naqueles dilacerantes dias de choque e profundíssima tristeza e revolta, quando todos assistimos à tragédia da estrada nacional 236, teve a senhora Dra. Isolina de Carvalho, do nosso Conselho de Fundadores, a sentida ideia de apelar a pintores e escultores para que se juntassem num gesto de solidariedade em prol de Pedrógão Grande e doassem “uma obra pequena, média ou grande, ou mesmo sem tamanho”. Desde a primeira hora que a Fundação Júlio Resende e vários dos seus Fundadores se associaram à ideia, ajudando a dar corpo ao projecto. Mais de dois meses se passaram. Aos poucos, as respostas foram chegando, uns artistas trazendo outros, até que foi preciso encerrar esta primeira etapa. O número tinha ultrapassado em muito todas as nossas expectativas. Cumprido e realizado, deste modo, o apelo junto dos Artistas, seguem-se agora outros apelosnossos, de outra natureza, junto de pessoas singulares e colectivas, incluindo empresas, e junto de entidades públicas, incluindo o Município e o Governo. Nesse sentido, o presente comunicado é uma espécie de carta aberta contendo apelos construtivos da Fundação Júlio Resende. I) Consignar receitas a bolsas de estudo em Artes Desde logo, dirigimos um apelo para que venham comprar obras de arte, tão generosamente doadas a favor das terras e gentes de Pedrógão Grande. As obras oferecidas (pinturas, esculturas e fotografias) serão expostas nos próximos dias 14 e 15. E serão leiloadas no próximo sábado, dia 16, às 16h. A Fundação tem o gosto de a todos convidar para a exposição e o consecutivo leilão, que terão lugar na sua sede, R Pintor Júlio Resende,105 Valbom 4420-534 Gondomar, Tel.224649061/2, e-mail: info@lugardodesenho.org, site: www.lugardodesenho.org . E, depois do dia 16, como haveremos de dar boa e impecável sequência? Procurando responder, a Fundação propõe publicamente as linhas de orientação e actuação que constam deste ponto I) e igualmente de II) e III). A receita das vendas das obras de arte, podendo não ser tão avultada quanto por nós ambicionado, terá sempre um inestimável valor simbólico. Destinar-se-á, na íntegra, a financiar bolsas de estudo em Artes, abrangendo designadamente artes plásticas, cinema, música, dança e artes performativas. Bolsas estas em exclusivo benefício de pessoas locais que queiram cursar ou investigar Artes em instituições portuguesas ou estrangeiras, ou desenvolver projectos artísticos de valor. Os bolseiros só poderão ser, pois, pessoas de Pedrógão Grande e dos concelhos vizinhos, também eles sacrificados pelos incêndios florestais. Para o efeito, a receita das vendas das obras dos Artistas solidários, no leilão do dia 16, dará entrada num fundo constituído por iniciativa da Fundação Júlio Resende. Ao fundo poderão ligar-se outras entidades que façam doações complementares – desta forma estamos a lançar mais um apelo a empresas, fundações, instituições. O fundo será sediado no “espaço-memorial”, ou similar, que a Fundação propõe seja institucionalizado nos termos expostos em II). O fundo poderá alargar a concessão de bolsas de estudo a outros campos, além das Artes, desde que para isso: a) o fundo receba outras receitas, doações, etc; b) o fundo seja segmentado em dois ramos, primeiro, Estudos em Artes, segundo, Outros Estudos. Nesse caso, a receita proveniente do leilão do dia 16 só integrará o primeiro ramo do fundo. II) Entregar obras de arte a um memorial Os trágicos dias de Pedrógão Grande diminuem-nos como cidadãos, enlutam a democracia e responsabilizam a República. Todos sofremos com o desgosto, a vergonha e a desonra do País. Por isso, o gesto dos 100 Artistas também é uma forma de interpelação a quem de direito. Entende a Fundação, procurando interpretar e respeitar o espírito que presidiu às doações dos cem Artistas, propor que o Município e o Estado criem um emblemático espaço das Artes em Pedrógão Grande. Algo que perdure e, ao mesmo tempo, permita motivar e olhar em frente, possa ser uma espécie de memorial inacabado porque virado para o futuro, mais do que virado para lembranças do passado. E que possa ser também, de algum modo, um singelo registo do notável movimento de solidariedade dos cem Artistas. A Fundação propõe que, além do mais, um tal memorial acolha as obras de arte que eventualmente não sejam leiloadas no dia 16. Se, acaso, tal memorial não puder ser criado e se não houver uma outra solução em Pedrógão Grande, a Fundação voltará a ouvir os autores Artistas, a fim de reencaminhar o acervo em causa. Naturalmente, a Fundação não está a pensar em excessos de escala e dimensão do espaço-memorial, nem em desproporcionados orçamentos de investimento e funcionamento. Está a pensar, isso sim, em espaço condigno, imaginativo e distintivo, que através da Arte honre os mortos e esperance os vivos. Neste pensamento, a Fundação sugere o lançamento de adequado concurso de ideias. III) Procedimentos e controlos Em tudo o que aqui propõe, a Fundação afastou, tanto quanto possível, qualquer indefinição e indeterminação conceptual ou processual. A Fundação preocupa-se com a transparência e o controlo dos procedimentos antes, durante e depois do leilão, da consignação das receitas, da entrega do acervo restante, da existência e operacionalidade do fundo de bolsas, etc. Logo no fim do leilão do dia 16, será publicitada a receita total arrecadada. A operação será acompanhada pelo senhor Contabilista Certificado da Fundação que apresentará, na hora, sucinto relatório sobre as vendas e a as peças sobrantes. O senhor Presidente do Conselho Fiscal da Fundação prestará, posteriormente, o seu 1º parecer sobre os procedimentos, a contabilização e os movimentos da conta bancária. A seu tempo, dará um 2º parecer sobre o encaminhamento final da receita e a criação do fundo das bolsas. O fundo obedecerá a regulamento interno e só poderá ser movimentado por deliberação e assinatura de duas ou três pessoas, assim designadas: uma pela Fundação Júlio Resende; outra por uma entidade de Pedrógão Grande, que se deseja seja o “espaço-memorial” do Município; e a terceira por doadores de especial dimensão, se e quando os houver. A Fundação não cobra absolutamente nada, as despesas em que incorre são mais uma pequena prova de solidariedade. O Conselho de Administração da Fundação faz questão de prestar contas de todo o processo. Contas em duplo significado, o quantitativo e o qualitativo, a que outros chamam accountability. Esta prestação de contas e todo este acto de solidariedade das Artes por Pedrógão Grande fazem parte dos princípios fundamentais e das boas práticas de que a Fundação justamente se orgulha. São, afinal, legados do nosso Fundador, o saudoso mestre Júlio Resende. Bem imaginamos como ele, artista superior e homem bom que era, haveria de ficar sensibilizado por a sua Fundação congregar 100 Artistas solidários quando 100 anos se passam do seu nascimento, Porto 1917. Gondomar, 10 de Setembro de 2017 O Presidente da Fundação Júlio Resende Victor Costa, pintor ARTISTAS SOLIDÁRIOS: Adriana Henriques, Agostinho Santos, Albertino Valadares, Alírio, Alvarenga Marques, Ana Fernandes
, Aníbal Lemos
, Antónia Gomes, António Dias
, António Andrade, António Gonçalves, António Mendanha, Armando Alves, Armando Alves, Artur Moreira, Augusta Albuquerque, Aurélio Mesquita, Avelino Leite, Beatriz Pacheco Pereira, Cabral Pinto
, Carlos Barreira,
 Carlos Carreiro, Carlos dos Reis, Carlos Inácio, Carlos Marques, Catarina Machado, Constancia Nèry, Cristina Valadas
, Diana Costa
, Dulce Barata Feyo
, Elizabeth Leite,
 Emília Viana
, Eugénio Henrique,
 Eva Cláudia de Sousa Andrade, F. Araújo, Fátima Carvalho, Fernando Augusto Rocha, Filomena Silva Campos, Florentina Resende, Franchini
, Francisco Casanova, Francisco Laranjo, Francisco Trabulo,
 Gemeo Luis, 
Glória Costa, 
Helder Carvalho,
 Helena Cordeiro, 
Helena Fortunato, 
Helena Leão,
 Henrique do Vale, Henrique Silva, Humberto Nelson
, Ícaro, 
Isabel Lima, Isabel Mourão Alves, 
Joana Rego, 
João Barata Feyo
, Joaquim Vieira de Magalhães, Joaquim Muchagata Duarte, José Augusto Castro, José Emídio, 
José Paiva
, José Rosinhas
, José Silva, 
Júlia Landolt
, Júlia Pintão,
 Kinga Ogórek, 
Leonilda Coelho dos Santos, Lina Santos, Liseta Amaral, 
Luís Melo,
 Luísa Gonçalves,
 Luísa Prior
, Manuel Casal Aguiar, 
Manuel Lima
, Manuela Silva
, Margarida Leão, 
Margarida Marinho,
 Maria da Paz Menezes,
 Maria de Fátima Vasconcelos, M. Manuela Mendes da Silva, Maria Rafael
, Mário Bismark, 
Marta Aguiar
, Marta Cristina M. T. Lopes, Marta Lima, Marta Peneda, Nettie Burnett, Norberto Jorge, Nuno Gandra, Otília Santos, Pedro Casal, Pedro Leite, Picueta, Renata Carneiro, Ricardo Fonseca, Rosa Godinho, Rui Alberto, Rui Anahory
, Rui Ferro
, Rui Mourão, 
Sílvia Simões
, Sobral Centeno, Teresa Ricca, 
Victor Costa e Zulmiro de Carvalho

Actualizado

el 14 sep de 2017 por ARTEINFORMADO

Contactar

¿Quieres contactar con el gestor de la ficha?

Descubre más obras en ARTEINFORMADO

París, 1964, 1964
Ramón Masats
465 MULTIPOSS ..., 2013
zeta zZARÁ - zZARÁ
Compártelo en redes

¡En promoción!

14 sep de 2017 - 04 nov de 2017

Tiempos verbales

Galeria Freijo / Madrid, España

ArtCity

Descárgate ArtCity, la app que te dice que exposiciones tienes cerca.

Más información

¡Suscríbase y reciba regularmente nuestro Boletín de Noticias del Mercado del Arte!

Suscribirme
volver arriba