Jorge Pinheiro
15
sep 2017
07
ene 2018

Compártelo en redes

Cuándo: 15 sep de 2017 - 07 ene de 2018
Inauguración: 15 sep de 2017 / 22:00
Dónde: Museu de Arte Contemporânea de Serralves / Rua D. João de Castro, 210 / Oporto, Porto, Portugal
Comisariada por: Pedro Cabrita Reis
Organizada por: Museu de Arte Contemporânea de Serralves
Artistas participantes: Jorge Pinheiro
Enlaces oficiales Web 
Publicada el 25 ene de 2017      Vista 144 veces

Descripción de la Exposición

“Jorge Pinheiro: D'après Fibonacci e as coisas lá fora” reúne pinturas, desenhos e esculturas de Jorge Pinheiro, um influente artista português nascido em Coimbra em 1931. A exposição é baseada numa ideia do artista Pedro Cabrita Reis, a convite de Suzanne Cotter, Diretora do Museu de Serralves, e tem desenho de instalação concebido pelo arquiteto Eduardo Souto Moura. A mostra dá sequência ao programa de exposições dedicadas à obra de artistas relevantes do século XX desconhecidos do grande público fora de Portugal. O diálogo estreito que se estabeleceu entre Jorge Pinheiro e Pedro Cabrita Reis na preparação da exposição conduziu à seleção de 80 obras, datadas de períodos específicos do percurso de Pinheiro, desde os anos 1960 até ao presente, nos quais a pintura figurativa e as linguagens da arte concreta e da abstração concetual coincidem. A exposição inclui ainda uma nova escultura produzida especialmente para a exposição e para o contexto da arquitetura do Museu. O catálogo que acompanha a exposição reproduz, além das obras expostas em Serralves, os cerca de 90 desenhos que integram uma exposição simultânea que terá lugar na Fundação Carmona e Costa, em Lisboa. O catálogo inclui ainda uma entrevista a Jorge Pinheiro conduzida por Pedro Cabrita Reis e um ensaio do poeta e crítico de arte João Miguel Fernandes Jorge. As primeiras pinturas de Jorge Pinheiro — contemporâneas dos estudos em Pintura que concluiu em 1963, na Escola Superior de Belas-Artes do Porto, onde estudavam também os arquitetos que viriam a integrar a chamada “Escola do Porto” — caracterizavam-se por uma figuração de pendor realista e um imaginário fértil em alusões ao panorama sociocultural de Portugal à época. Em composições fechadas e através de uma paleta restrita, as figuras e os espaços dessas obras iniciais refletem os silêncios e abandonos de um país subjugado pela ditadura. Em 1966, e graças a uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian, Jorge Pinheiro realiza uma viagem pela Europa que viria a revelar-se fundamental para a inflexão do seu trabalho no sentido da abstração geométrica. Influenciado pelas pesquisas da Abstraccion-Création, pelas propostas da arte concreta, da shaped canvas e, particularmente, pelo pensamento estruturalista, Pinheiro expandiu o seu vocabulário formal e privilegiou, na pintura, no desenho e na escultura, a mecânica das chamadas “formas da expressão”, entendidas como os componentes basilares da perceção visual. No início da década de 1970, às modulações geométricas e padrões de alto contraste cromático junta-se uma exaustiva exploração das noções de ritmo e de série, que mostram o interesse do artista pelas áreas da música e do número, em particular pelo dodecafonismo de Schönberg e pela série de Fibonacci. Na viragem para os anos 1980, e recuperando o espírito de comentário social, político e cultural das suas primeiras obras, desta feita complementado pelas mais diversas citações da história da pintura, Jorge Pinheiro volta a abraçar plenamente a figuração, em telas cujo cunho pós-moderno antecipa e radicaliza alguns dos desenvolvimentos internacionais da década. Os seus trabalhos mais recentes, já no século XXI, marcam o regresso de Pinheiro à abstração da música e do número. “Jorge Pinheiro: D'après Fibonacci e as coisas lá fora” é uma exposição organizada em parceria com a Fundação Carmona e Costa, Lisboa. Sobre Jorge Pinheiro Jorge Pinheiro nasceu em 1931 em Coimbra e atualmente vive e trabalha no Estoril. Formou-se em Pintura na Escola de Belas Artes do Porto em 1963. Entre 1963 a 1976 foi professor nesta escola e depois na Escola de Belas-Artes de Lisboa. Em 1968 integrou o grupo "Os Quatro Vintes", juntamente com Ângelo de Sousa, Armando Alves e José Rodrigues. Iniciando a sua produção artística num campo de tendência expressionista e figurativa, Jorge Pinheiro tomou contacto com o abstracionismo geométrico após uma viagem pela Europa em 1966, apoiada pela Fundação Calouste Gulbenkian. Posteriormente, entre 1969 e 1970, novamente bolseiro da Gulbenkian, estudou Semiótica da Pintura em Paris, e a sua produção artística seguiu a via do abstracionismo, numa abordagem geométrica e cromática da pintura, em que a habitual forma retangular do suporte é substituída por formatos menos ortodoxos. O desenho é também uma importante componente da obra de Jorge Pinheiro. Em obras em papel notáveis, como “Ensaios para uma “reescrita” da partitura de Filipe Pires - Figurations III” (1969) ou “Quinze ensaios sobre um tema ou Pitágoras jogando xadrez com Marcel Duchamp” (1975), Pinheiro desenvolve relações formais e rítmicas com a escrita caligráfica e a música. A obra de Jorge Pinheiro estende-se também à escultura de base geométrica, que o artista desenha e projeta meticulosamente e que concretiza em materiais como o acrílico, o ferro e o espelho. Ainda nos anos 1970 Jorge Pinheiro regressa à figuração, numa vontade de continuar a refletir sobre a realidade histórica, política e cultural. A malha geométrica, que desenvolvera na década de 1970 baseada na série de Fibonnaci e sobre a qual assentara a sua obra, continua a servir de base à composição das suas pinturas, em que mantém a utilização da cor e trabalha o desenho rigoroso das figuras. Desde os anos 1950 a obra de Jorge Pinheiro tem sido apresentada em várias exposições individuais e coletivas, como “De tempos a tempos – À memória do Ângelo”, Cooperativa Árvore, Porto, 2015; “Realmente real”, Galeria Fernando Santos, Porto, 2010; “Jorge Pinheiro: Exposição Antológica”, Fundação Calouste Gulbenkian (CAM), Lisboa, 2002; “Perspectiva: Alternativa Zero”, Museu de Serralves, Porto, 1997. Os seus trabalhos estão representados em importantes coleções nacionais como a da Fundação Calouste Gulbenkian, a do Museu do Chiado, a da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento e a da Fundação de Serralves. Sobre Pedro Cabrita Reis Pedro Cabrita Reis nasceu em Lisboa em 1956, cidade onde vive e trabalha. Participou em importantes exposições internacionais, tais como na Documenta IX em Kassel, em 1992, nas 21ª e 24ª Bienais de São Paulo, respetivamente em 1994 e 1998, e no Aperto, na Bienal de Veneza de 1995. Em 2003 representou Portugal na Bienal de Veneza e em 2009 participou na Xème Biennale de Lyon. O seu trabalho tem sido objeto de numerosas exposições nacionais e internacionais em importantes instituições um pouco por todo o mundo: MAXXI, Museo nazionale delle arti del XXI secolo, Roma, Itália; Tate Modern, Londres, Reino Unido; Carré d’Art – Musée d’art contemporain, Nimes, França; Fondazione Merz Centro d’arte contemporânea, Turim, Itália e Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brasil. A obra de Pedro Cabrita Reis está representada em várias coleções em Portugal e no estrangeiro, entre elas as do Centre Pompidou, Paris, França; Museo Nacional Centro De Arte Reina Sofía, Madrid, Espanha; Kunstmuseum Berna, Suíça; Tate Modern, Londres, Reino Unido; Solomon R. Guggenheim Museum, Nova Iorque, EUA. Sobre Eduardo Souto de Moura Eduardo Souto de Moura nasceu no Porto em 1952. Licenciou-se em arquitetura pela Escola Superior de Belas-Artes do Porto em 1980. Em 1974 colaborou com o arquiteto Noé Dinis e entre 1975 e 1979 com Álvaro Siza Vieira. De 1981 a 1991 foi professor assistente na Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto. Desde 1980 tem o seu próprio gabinete de arquitetura. Foi professor convidado nas escolas de arquitetura de Paris-Belleville, Harvard, Dublin, Zurich, Lausanne e Mantova. Participou em vários Seminários e Conferências em Portugal e no estrangeiro. Em 2011 recebeu o Prémio Pritzker, em 2013 o Prémio Wolf e em 2017 o Prémio Piranesi.

Actualizado

el 11 sep de 2017 por ARTEINFORMADO

Contactar

¿Quieres contactar con el gestor de la ficha?

Descubre más obras en ARTEINFORMADO

Paisajes de exce..., 2016
Gabriela Bettini
LOS NOMBRES, 2015
Concha Martínez Barreto
serie de aguas y..., 2014
Consuelo de los Angeles Váz...
Compártelo en redes

¡En promoción!

05 dic de 2017 - 15 abr de 2018

El arte y el espacio

Museo Guggenheim Bilbao / Bilbao, Vizcaya, España

ArtCity

Descárgate ArtCity, la app que te dice que exposiciones tienes cerca.

Más información

¡Suscríbase y reciba regularmente nuestro Boletín de Noticias del Mercado del Arte!

Suscribirme
volver arriba