Enseña tus OBRAS en ARTEINFORMADO. ¡Cada día, más personas las miran!
Imagen cortesía de Fortes D’Aloia & Gabriel
Evento finalizado
22
ago 2020
17
oct 2020

Compártelo

Cuándo: 22 ago de 2020 - 17 oct de 2020
Inauguración: 22 ago de 2020
Precio: Entrada gratuita
Dónde: Fortes D’Aloia & Gabriel - Galpão / Rua James Holland 71 | Barra Funda / São Paulo, Sao Paulo, Brasil
Comisariada por: Sol Camacho
Organizada por: Fortes D'Aloia & Gabriel (ex-Galería Fortes Vilaça)
Enlaces oficiales Web 
Etiquetas:
Eventos relacionados: AAA – Antologia de Arte e Arquitetura
Publicada el 26 feb de 2020      Vista 53 veces

Descripción de la Exposición

As galerias Bergamin & Gomide e Fortes D’Aloia & Gabriel têm o prazer de abrir para visitação a exposição AAA – Antologia de Arte e Arquitetura. Com curadoria de Sol Camacho – arquiteta, urbanista, diretora na RADDAR Architecture e diretora técnicacultural do Instituto Bardi / Casa de Vidro –, a coletiva reúne mais de 100 obras de artistas, arquitetos e designers brasileiros em uma reflexão sobre a arquitetura, seu papel social, seus procedimentos e sua história. A mostra, cuja plataforma online foi lançada em abril, pode agora ser vivenciada presencialmente no Galpão da Barra Funda entre os dias 22 de Agosto e 17 de Outubro de 2020. A visitação, exclusivamente por agendamento, marca a reabertura da galeria que manteve suas portas fechadas desde Março. Através de um recorte atemporal e não-catalográfico, AAA transita pelo campo das artes visuais – entre pinturas, esculturas, vídeos – e o da arquitetura – com maquetes, peças de mobiliário e fotografias de edificações. São trabalhos que têm a arquitetura como idioma: seja na relação entre a construção de espaços e a sua representação; no uso de materiais da construção civil; ou, ainda, na subversão da própria linguagem como recurso de experimentação com escala, composição e geometria. Partindo dessas relações, a curadoria adota elementos arquitetônicos para definir as categorias da exposição. A primeira delas é composta por Blocos, Pilares, Muros e Superfícies, agrupando os trabalhos que lidam com os componentes do objeto construído. Em Blocos estão as obras formadas por unidades sólidas e modulares, como as Estruturas de Caixas de Fósforo Preto/Branco (1964) de Lygia Clark e o projeto do MASP, presente na mostra através de uma maquete preliminar produzida pelo Instituto Bardi para a exposição dos 50 anos do edifício. A PMR Chaise Long (1985) de Paulo Mendes da Rocha e o Ponto (2015) de Iran do Espírito Santo, por sua vez, integram o subgrupo Pilares, por explorarem os elementos de suspensão e apoio. Muros analisa a problemática das barreiras públicas, tão necessárias à arquitetura quanto controversas no contexto sociopolítico brasileiro, a partir de artistas como André Komatsu e Ivens Machado. As Superfícies, por sua vez, reúnem obras de Lygia Pape, Athos Bulcão, entre outros, para tratar de abstração, angulações e dobras. Subtração, Transparência e Cor formam a segunda categoria, que diz respeito aos procedimentos formais de trabalhos dissociados da representação de um objeto específico. Subtração é tomada aqui como uma ação que resulta na conformação de espaços a partir do vazio – recurso presente tanto nos projetos da spbr arquitetos quanto na série Quadroquadro (2013– 2016) de Renata Lucas. O recurso da Transparência é explorado em obras de Mauro Restiffe e Joaquim Tenreiro, enquanto a Cor é a ferramenta de decodificação do espaço presente nas tapeçarias de Burle Marx e nas pinturas de Marcelo Cipis. Já no campo da representação de conceitos espaciais, as obras de Valeska Soares, Rivane Neuenschwander e Oscar Niemeyer integram o subgrupo Interiores, lidando com a noção de familiaridade. Seu contraponto são as Fachadas, que exploram a arquitetura a partir de sua relação com o contexto urbano, como na Janela (2018) de Rodrigo Matheus e nas pinturas de Volpi e Lorenzato. AAA – Antologia de Arte e Arquitetura é um desdobramento de Exhibit AAA, projeto exibido pela Bergamin & Gomide na Expo Chicago em setembro de 2019. Se na primeira versão a curadoria de Sol Camacho procurava criar um “pequeno atlas” da arte brasileira e sua estreita relação com a arquitetura, esse mapa apresenta-se agora como uma antologia. A coleção plural de temas, épocas e linguagens ganha corpo no ambicioso projeto expográfico, formado por estruturas modulares que operam como uma paisagem sintética. Com obras de Adriana Varejão, Alfredo Volpi, Aluísio Carvão, Amadeo Luciano Lorenzato, André Komatsu, Angelo Bucci, AR Arquitetos, Arquipélago, Armando Andade Tudela, Athos Bulcão, Bárbara Wagner & Benjamin de Burca, Barrão, Bruna Canepa, Bruno Brito, Bruno Cançado, Caio Reisewitz, Carlos Bevilacqua, Carlos Fajardo, Carolina Martinez, Cildo Meireles, Cinthia Marcelle, Claudia Andujar, Cristiano Lenhardt, Daniel Senise, Eduardo Ortega, Efrain de Almeida, Erika Verzutti, Fernanda Gomes, Flávio de Carvalho, Geraldo de Barros, Gustavo Utrabo, Hélio Oiticica, Instituto Bardi & Porão, Iran do Espírito Santo, Ivens Machado, Jac Leirner, Joaquim Tenreiro, Juan Araujo, Leonardo Finotti, Lucas Simões, Lucia Koch, Luisa Lambri, Luiz Zerbini, Lygia Clark, Lygia Pape, Manoela Medeiros, Marcelo Cipis, Marcenaria Baraúna, Mauro Restiffe, Messina Rivas, Milton Dacosta, Mira Schendel, Montez Magno, Nelson Kon, Oscar Niemeyer, Paulo Mendes da Rocha, Porfírio Valladares, Renata Lucas, Ricardo Alcaide, Rivane Neuenschwander, Roberto Burle Marx, Roberto Wagner, Rodrigo Cass, Rodrigo Matheus, Sérgio Camargo, spbr arquitetos, Studio MK27, TACOA, UNA barbara e valentim, Valeska Soares, vão arquitetura

Actualizado

el 07 sep de 2020
Compártelo
Noticias relacionadas

¡Suscríbase y reciba regularmente nuestro Boletín de Noticias del Mercado del Arte!

Suscribirme