¿Vas a ver exposiciones? ¿Quieres tener toda la información a mano? ¡Descárgate ArtCity!
Espiritual-Vivente-Respira
Evento finalizado
11
ago 2018
10
nov 2018

Compártelo en redes

Publicada el 21 ago de 2018      Vista 16 veces

Descripción de la Exposición

Em sua nova exposição no Galpão, Rodrigo Cass relaciona seu interesse por filosofia e história da arte à sua própria espiritualidade. O vídeo e as pinturas que integram a mostra mantém uma qualidade escultórica onde o concreto é a síntese do seu pensamento artístico: um elemento espiritual, vivente, e que respira*. Para o artista, a respiração está no fundo de toda experiência. “Tudo o que vive respira. E o respirar é ação do espírito.” Sua obra busca promover, portanto, momentos de pausa e silêncio através de áreas vazias, explicitadas pelo uso da cor. Assim acontece na série que dá nome à exposição e que se divide entre trípticos, polípticos e trabalhos individuais. São pinturas dupla-face feitas com concreto, têmpera e linho que parecem flutuar no espaço, penduradas nas paredes por apenas um de seus lados. A solução formal as aproxima dos Objetos Ativos de Willys de Castro, mas também dá a montagem um movimento cadenciado, em que os planos desdobram-se em diferentes ângulos como uma criatura viva. A superfície monocromática das pinturas é interrompida por vários traços de concreto branco, meticulosamente aplicados para criar margens e intervalos. São fragmentos de uma totalidade já destituída, mas que continua a revelar-se. Para Cass, cada risco é também o registro de uma escolha e condensa suas orações, vivências e experimentações no ateliê. O video Anatomia da Revolução, de maneira análoga, apresenta uma série de ações independentes que intercalam-se para criar um corpo único. Em um desses trechos, uma superfície negra é tingida de branco à medida que o artista derrama leite sobre um cabide. Outra cena consiste na interrupção do funcionamento do relógio usando prego e martelo. Todas as sete cenas que compõem o trabalho incorporam elementos da performance e dão aos objetos forte carga simbólica. Rodrigo Cass nasceu em São Paulo, em 1983, onde vive e trabalha. Suas exposições individuais incluem: Até o Concreto, Galpão Fortes Vilaça (São Paulo, 2016); Espaço Liberto, Galerie MDM (Paris, 2015); 5#5: Rodrigo Cass, Meyer Riegger (Carlsrue, Alemanha, 2015), Material Manifesto, Galpão Fortes Vilaça (São Paulo, 2014); Programa de Exposições do Centro Cultural São Paulo (São Paulo, 2013). Entre suas coletivas, destaque para: Building Material: Process and Form in Brazilian Art, Hauser & Wirth (Los Angeles, 2017); 10ª Bienal do Mercosul (Porto Alegre, 2015); Imagine Brazil – mostra itinerante que passou por Astrup Fearnley Museet (Oslo, 2013), Musée d’art contemporain de Lyon (Lyon, 2014), Instituto Tomie Ohtake (São Paulo, 2015); e DHC/ART (Montreal, 2015) –; Bolsa Pampulha, Museu de Arte da Pampulha (Belo Horizonte, 2011). * O artista cita aí uma fala de Lina Bo Bardi, retirada de uma entrevista em vídeo, na qual ela diz: ”Vejo o concreto como uma criatura viva, como um ser vivo. Ele respira.”

Actualizado

el 07 nov de 2018 por ARTEINFORMADO

Descubre más obras en ARTEINFORMADO

{{ artwork.title | limitTo:16 }}, {{ artwork.year }}
{{ artwork.artistName | limitTo:28 }}
Compártelo en redes
ArtCity

Descárgate ArtCity, la app que te dice que exposiciones tienes cerca.

Más información

¡Suscríbase y reciba regularmente nuestro Boletín de Noticias del Mercado del Arte!

Suscribirme
volver arriba