Exposición en Rio de Janeiro, Brasil

Nakoada: estratégias para a arte moderna

Dónde:
Museu de Arte Moderna (MAM) - Rio de Janeiro / Av Infante Dom Henrique, 85 - Parque do Flamengo / Rio de Janeiro, Brasil
Cuándo:
09 jul de 2022 - 27 nov de 2022
Inauguración:
09 jul de 2022
Comisariada por:
Enlaces oficiales:
Web 
Promociones arteinformado
Descripción de la Exposición
“Nakoada” é uma estratégia de guerra do povo Baniwa da região do Alto Rio Negro para elaborar novas possibilidades de permanência no mundo. O conceito orienta a curadoria da exposição e resume a tática de mergulhar na compreensão de aspectos de outra cultura para a garantia da própria sobrevivência. Se originalmente esta prática era usada pelos Baniwa para lidar com outros povos originários, hoje é repensada para a relação com culturas não-indígenas. “Nakoada é um gesto de retorno. Seria o momento em que as pessoas que foram alvos de ações externas entendem o poder opressor do outro e agora procuram uma possibilidade de retornar à sua própria autonomia”, explica Denilson Baniwa, um dos mais proeminentes artistas da arte indígena contemporânea. Beatriz Lemos, curadora adjunta do MAM Rio, explica que nakoada não é um tema para a exposição, e sim uma forma de agir: “É uma maneira de pensar que se afasta da ... lógica ocidental imperialista, que incorpora e instrumentaliza as referências dos outros povos. A ideia é entender o modernismo ainda como um marco e estudá-lo, para pensar o que vem pela frente, como podemos imaginar os próximos 100 anos”. De acordo com a curadoria, mais do que propor uma revisão crítica do modernismo — o que já vem sendo feito de maneira elaborada, inclusive por artistas indígenas — a exposição pretende mostrar pontos de partida alternativos para refletir sobre o que poderia ser uma produção artística que se engaja com alguns dos ideais modernos, mas escapa de suas armadilhas. Na exposição, a silhueta de uma cobra serpenteia por todo o Salão Monumental do MAM Rio. A expografia toma a forma de uma serpente cósmica que não tem começo nem fim. Essa simbologia é recorrente na cosmovisão baniwa e em diversas culturas ocidentais e orientais, do norte e do sul. Ela digere a nossa história e carrega, dentro de seu bojo, esse tempo expandido desde antes da colonização. OBRAS E ARTISTAS A exposição conta com trabalhos de quatro artistas contemporâneos convidados a criar especialmente para a ocasião: Cinthia Marcelle, Mahku, Novíssimo Edgar e Zahy Guajajara. Obras fundamentais de expoentes do modernismo brasileiro, como Alberto Guignard, Alfredo Volpi, Anita Malfatti, Candido Portinari, Djanira, Di Cavalcanti, Ismael Nery, José Pancetti, Oswaldo Goeldi e Tarsila do Amaral, entre outros, também estão presentes. Completam a mostra uma pintura do artista Jaider Esbell, cerâmicas do acervo do Museu do Índio – potes e vasos dos povos Karajá, Marubo, Maku, Terena e Ticuna, bonecas Karajá e um conjunto de placas com grafemas Baniwa.

 

 

Entrada actualizada el el 04 jul de 2022

¿Te gustaría añadir o modificar algo de esta ficha?

Infórmanos si has visto algún error en este contenido o eres este artista y quieres actualizarla. ARTEINFORMADO te agradece tu aportación a la comunidad del arte.

¿Quieres estar a la última de todas las exposiciones que te interesan?

Suscríbete al canal y recibe todas las novedades.

Recibir alertas de exposiciones

Plan básico

Si eres artista o profesional… ¡Este plan te interesa! (y mucho)

  • Sube y promociona eventos y exposiciones que hayas creado o en los que participes ¡Multiplicarás su visibilidad!
  • Podrás publicar (y también promocionar) hasta 100 obras tuyas o de tus artistas. ¡Conecta con tus clientes desde cada una de ellas!
  • Disfruta de acceso a todo el contenido PREMIUM y al Algoritmo ARTEINFORMADO (Ecosistema AI e Indice AI de Notoriedad de artistas iberoamericanos).
  • Mantendremos actualizada tu ficha o la de tus artistas. Además, podrás contactar con los gestores de otras.