NO ELEMENT, HOWEVER HAS THE FINAL WORD IN THE CONSTRUCTION OF THE FUTURE. Imagen cortesía Mendes Wood DM São Paulo
Evento finalizado
07
abr 2018
17
may 2018

Compártelo en redes

Cuándo: 07 abr de 2018 - 17 may de 2018
Inauguración: 07 abr de 2018
Dónde: Mendes Wood / Rua da Consolação, 3.358, Jardins / São Paulo, Sao Paulo, Brasil
Organizada por: Mendes Wood DM
Artistas participantes: Runo Lagomarsino
Enlaces oficiales Web 
Publicada el 03 abr de 2018      Vista 40 veces

Descripción de la Exposición

Mendes Wood DM São Paulo tem o prazer de apresentar a terceira exposição individual do artista sueco-argentino Runo Lagomarsino na galeria. O artista aproxima trabalhos recentes e inéditos que dialogam com as histórias de heranças coloniais, fronteiras geopolíticas e culturais e as relações de poder, sob uma perspectiva quase imperceptivelmente melancólica. Na primeira sala as paredes são completamente carimbadas com as palavras America Amnesia, suscitando uma reflexão sobre o apagamento no processo historiográfico das Américas e suas transformações culturais, ao mesmo tempo em que questiona a leitura automática da América como sendo os Estados Unidos. Uma das paredes é iluminada por um farol de Ford Falcon 78, modelo de carro que se tornou conhecido na Argentina por ser usado, durante a ditadura, por forças governamentais paramilitares como a Triple A (Aliança Anticomunista Argentina) em sequestros e desaparecimentos. Uma luz que não deixava sombras. Clarear os olhos na escuridão, além de afastar a melancolia, confortar a fraqueza do coração e provocar alegria e magnitude, são essas propriedades medicinais atribuídas ao ouro por um ourives espanhol, meio século após a conquista da Nova Espanha. Entretanto, quando Hernán Cortés diz a Montezuma que ele e seus companheiros conquistadores sofriam de uma doença do coração que somente o ouro poderia curar, estaria se referindo a essa mesma fraqueza e contando com a empatia do Asteca que não poderia negar-lhe o remédio? Ou seria a consciência de que a Metrópole só se define a partir do outro, do ouro do outro? Cortés engana Montezuma para abastecer os cofres da coroa, ou lhe confessa a debilidade do sistema? A relação inseparável entre conquista e dependência é um ponto de convergência entre os trabalhos da exposição. Aplicados no espaço expositivo – seja num rodapé pirogravado que traz a este espaço algo de doméstico, seja pela repetição de um carimbo que transforma em mural o gesto de escritório, seja em serigrafias que aderem verticalmente à parede contrariando o movimento natural da tinta – os trabalhos não estão presentes sem esforço, ocupam uma posição de fricção, onde o passado não é estático, mas navegável. Uma caravela coberta pela neblina, uma ilustração do livro Primera crónica y buen gobierno de Felipe Guaman Poma de Ayalas e um recorte de um jornal britânico com a legenda A soft stroke and... A farwell kiss. A notícia mostra a atriz e ativista politica grega Melina Mercouri em visita ao Parthenon no British Museum, como Ministra de Cultura, numa campanha para repatriar o templo. A neblina que faz desaparecer o horizonte (ou a embarcação), o relato do Inca que mostra a extração do olho e da capacidade de ver e os olhos da ministra que chora diante do mármore que hoje leva o nome do seu descobridor; são diferentes aparições de gestos de resistência visíveis sobre a parede lixada. Runo Lagomarsino ( 1977, Lund). Vive e trabalha entre Malmö e São Paulo. Seus trabalhos foram incluídos em diversas exposições institucionais como: A Universal History of Infamy, LACMA, Los Angeles (2017); La Terra Inquieta, Fondazione Trussardi, Milão (2017); Little lower layer, Museum Of Contemporary Art Chicago, Chicago (2017); Really Useful Knowledge, Museo Reina Sofia, Madri (2015); Under the same sun, Guggenheim Museum, Nova York (2014). Participou das bienais: Prospect.4, New Orleans (2017); 56th Biennale di Venezia, Veneza (2015); Gothenburg International Biennial, Gothenburg (2015); 12o Bienal de Cuenca, Cuenca (2014); 30a Bienal de São Paulo, São Paulo (2012); 12th Istanbul Biennial, Istanbul (2011). Suas exposições individuais incluem: We have been called many names, Nils Stærk, Copenhagen (2017); West is everywhere you look, Francesca Minini, Milão (2016); They Watched Us For a Very Long Time, La Criée Centre for Contemporary Art, Rennes (2015); Against My Ruins, Nils Stærk, Copenhagen (2014); We have everything, but that's all we have, Mendes Wood DM, São Paulo, (2013); This Thing Called The State, Oslo Kunstförening, Oslo (2013); Even Heroes Grow Old, Index, The Swedish Contemporary Art Foundation, Estocolmo (2012).

Actualizado

el 12 abr de 2018 por ARTEINFORMADO

Contactar

¿Quieres contactar con el gestor de la ficha?

Descubre más obras en ARTEINFORMADO

{{ artwork.title | limitTo:16 }}, {{ artwork.year }}
{{ artwork.artistName | limitTo:28 }}

Noticias relacionadas

  • 12 abr de 2018

    18 exposiciones imprescindibles si visitas SP-Arte 2018

    El MASP, el Instituto Tomie Ohtake, Caixa Cultural, Pinacoteca de São Paulo y galerías como Nara Roesler, Vermelho, Mendes Wood y Luisa Strina han inaugurado producciones destacadas estas últimas semanas. 

Compártelo en redes

Exposición en promoción

Exposición en promoción

ArtCity

Descárgate ArtCity, la app que te dice que exposiciones tienes cerca.

Más información

¡Suscríbase y reciba regularmente nuestro Boletín de Noticias del Mercado del Arte!

Suscribirme
volver arriba