¡Apoya a l@s artistas que te interesan! ¡Tiene PREMIO para ti y para ell@s!
O Artista Convoca
Evento finalizado
04
may 2019
25
may 2019

Compártelo

Cuándo: 04 may de 2019 - 25 may de 2019
Inauguración: 04 may de 2019
Dónde: Galeria Desvio / Av. Gomes Freire, 625, terceiro andar / Rio de Janeiro, Brasil
Organizada por: Galeria Desvio
Artistas participantes: Antonio Gonzaga Amador
Etiquetas:
Publicada el 06 may de 2019      Vista 18 veces

Descripción de la Exposición

Com cerca de 15 trabalhos, Antonio relê a tradicional história da arte no Ocidente através de seus principais elementos: a lona, o papel, o pigmento, o espaço e o gesto do artista. Ele parte da investigação sobre sua condição de diabetes Tipo 1 e o rigor com que precisa se autoexaminar ao menos 5 vezes ao dia, que é o elo entre os trabalhos, desenvolvidos com exercícios em seu próprio corpo. Alguns como o que já é submetido pelos exames para consultar sua glicose, que formam o trabalho ininterrupto com uma pintura por mês desde janeiro de 2017, Todo sangue que tiro do meu corpo para me manter vivo. Outros com desafios que o próprio artista se submete, como quase 80 horas de meditação que em Bhavana (2017) retira o pigmento rosa do papel seda e em Meia Lótus (2017) adiciona sobre o branco quase transparente, um delicado pigmento amarelo, seu suor. Se na história da arte as interlocuções com o rigor geralmente são “frias”, sem vestígios do autor, Amador retoma diálogo com as partes “quentes”, não nega e assume seu gesto nas obras. Seu corpo está presente em todas as partes. A releitura na arte que se supõe parte da arte contemporânea e complexifica o modo como a aura é articulada. Não há matriz original, o trabalho pode ser repetido por qualquer um. A aura está no corpo do artista. Antonio Amador tem formação em pintura e é como pintor que pensa seus trabalhos, mas na contemporaneidade e seus desafios onde a não separação entre vida e prática de arte é ainda mais urgente. O trabalho que sela a exposição consiste de uma lona do tamanho do corpo do artista que a dobrou todos os dias por 15 minutos, por quase quatro meses. De um lado está a performance, o rigor e o esgotamento do corpo - no exercício e nas dobras em partes iguais -, de outro está a pintura, revelada somente quando o período se encerra. Suor e sujeira formam os tons terrosos que deixam interrogações sobre o que está ali, obra ou vestígio? O que se vê são pinturas, desenhos e gravuras.

Actualizado

el 06 may de 2019