O cinema durante o estado novo
Evento finalizado
23
feb 2021
18:00

Compártelo

Dónde: Formación Online
Cuándo : El 23 feb de 2021
Horario: 18:00
Dirigido a: Artistas, Profesionales, Organizaciones
Organizada por: Museu de Arte Contemporânea de Serralves
Etiquetas:
Publicada el 22 feb de 2021      Vista 6 veces

Descripción de la Formación

A professora e investigadora Maria do Carmo Piçarra acaba de lançar o livro “Projectar a ordem – Cinema do Povo e Propaganda Salazarista 1935-1954”, que analisa este momento particular da história da exibição, distribuição e receção do cinema em Portugal. António Preto, diretor da Casa do Cinema Manoel de Oliveira, estará à conversa com a autora nas #ConversasComSerralves do próximo dia 23 de fevereiro, às 18h00. Entre 1935 e 1954, o Secretariado da Propaganda Nacional, depois renomeado Secretariado Nacional da Informação, organizou sessões de cinema ambulante que percorreram todo o país, com especial enfoque nas localidades mais distantes dos grandes centros urbanos. Este projeto do Estado Novo, que visava combater o comunismo e promover o corporativismo, intitulava-se Cinema do Povo e foi, além disso, um importante contributo para promover a imagem do país, tal como o idealizou António Ferro. Muitas destas sessões foram programadas por Manuel Félix Ribeiro e tendiam a emparelhar um “filme de fundo” (isto é, uma longa-metragem de ficção) com um jornal de atualidades, sempre precedidos por uma apresentação encabeçada por Legionários, dirigentes da União Nacional, padres ou responsáveis pelas Casas do Povo locais. Uma dessas sessões consistia na exibição do número 52 do “Jornal Português” seguido de “Aniki-Bóbó” (1942) de Manoel de Oliveira. Maria do Carmo Piçarra é professora na Universidade Autónoma de Lisboa e investigadora contratada no ICNOVA/FCSH. Com bolsa (2018-2020) da Fundação Oriente, investigou “Representações da ‘Ásia Portuguesa’ nos Arquivos Fílmicos”. É licenciada, mestre e doutorada em Ciências da Comunicação, pela FCSH-UNL, e, entre 2013-2018, desenvolveu a investigação pós-doutoral “‘Cinema Império’. Portugal, França e Inglaterra, representações do império no cinema”. Em 1998-1999, foi assessora da presidência do Instituto do Cinema, Audiovisual e Multimédia. Publicou, entre outros livros e artigos em revistas científicas, “Projectar a ordem - Cinema do Povo e propaganda salazarista 1935-1954” (2020), “Azuis ultramarinos - Propaganda colonial e censura no cinema do Estado Novo” (2015) e “Salazar vai ao cinema I e II” (2006, 2011). Coordenou, com Jorge António, a trilogia “Angola, o nascimento de uma nação” (2013, 2014, 2015) e, com Teresa Castro, “(Re)Imagining African Independence - Film, Visual Arts and the Fall of the Portuguese Empire” (2017).

Actualizado

el 22 feb de 2021
Compártelo

¡Suscríbase y reciba regularmente nuestro Boletín de Noticias del Mercado del Arte!

Suscribirme