Enseña tus OBRAS en ARTEINFORMADO. ¡Cada día, más personas las miran!
Nina Franco — Cortesía de Encontros da Imagem
11
sep 2020
31
oct 2020

Compártelo

Publicada el 11 sep de 2020      Vista 6 veces

Descripción de la Exposición

Sobre(viver) é uma exposição que aborda a violência contra a mulher e o feminicídio através de diversos meios como a fotografia, a instalação, o vídeo, a pintura e a performance. A artista e ativista brasileira Nina Franco deu forma a esta mostra partindo da premissa de que a violência, seja ela física ou psicológica, é algo que une todas as mulheres numa única narrativa, tão abrangente quanto o somar de histórias de agressões que conhecemos diariamente. A desconstrução da funcionalidade de objetos tão banais como os cabides, utilizados nos procedimentos de aborto clandestino, assume destaque na performance que será apresentada durante a inauguração da exposição pela própria artista. Nina Franco, nascida e criada no Rio de Janeiro mas atualmente a viver e a trabalhar no Reino Unido, recorre a diversos suportes para explorar histórias na tentativa de encontrar o caminho para a cura do indivíduo e de uma sociedade onde prevalece a violência. O objetivo é que quem visite a exposição não olhe apenas, mas que sinta, reflita, questione e dialogue. “A cada minuto, 30 mulheres são vítimas de algum tipo de violência no Brasil, 55,9% das mulheres que sofreram violência no último ano são negras. Seis mulheres [2017] morrem a cada hora no mundo vítimas de feminicídio. A perceção de que minha vida está em risco por ser mulher e negra é o que me faz usar a arte como ferramenta social de transformação para dialogar e criar espaços de troca e observação”, afirma Nina Franco. A artista, que ao longo dos últimos sete anos levou o seu trabalho a países como Irlanda, Inglaterra ou Grécia, conduz-nos a olhar para os conflitos sócio-políticos contemporâneos e através da denúncia e da crítica quebrar a ligação ainda promovida entre a violência e o amor. “A maior violência que sofremos não é aquela do dia-a-dia mas sim aquela que está enraizada na cultura”, considera a artista. Aline Oliveira

Actualizado

el 11 sep de 2020