Exposición en São Paulo, Sao Paulo, Brasil

Volpi popular

Dónde:
Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - MASP / Av. Paulista, 1578 / São Paulo, Sao Paulo, Brasil
Cuándo:
25 feb de 2022 - 31 jul de 2022
Inauguración:
25 feb de 2022
Comisariada por:
Artistas participantes:
Promociones arteinformado
Descripción de la Exposición
O MASP – Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, o Citi e o Ministério do Turismo apresentam, de 25 de fevereiro a 5 de junho de 2022, a mostra Volpi popular, que ocupa o 1o andar da instituição. Com curadoria de Tomás Toledo, curador-chefe do MASP, esta é a terceira mostra de uma série de individuais que o museu vem organizando em torno de artistas modernistas brasileiros canônicos do século 20 cuja obra emprega referências populares. A primeira da série, Portinari popular, foi apresentada em 2016 e a segunda, Tarsila popular, em 2019, tornando-se a exposição mais visitada da história do museu. Em 2022, o MASP prepara seu espaço para receber cerca de 100 trabalhos de Alfredo Volpi que oferecem ao público um olhar panorâmico da complexa e diversa prática do artista. A mostra está organizada em 7 núcleos que contemplam as diferentes temáticas de produção de Volpi: Cenas ... urbanas e rurais; Santas e santos; Retratos; Marinhas e temas náuticos; Fachadas; Bandeirinhas, mastros e faixas; e Temas lúdicos. A trajetória de Alfredo Volpi (Lucca, Itália, 1896 — São Paulo, Brasil, 1988) é caracterizada por uma combinação de diferentes elementos e temáticas da cultura popular com aspectos fundantes da tradição moderna, aproximando seus interesses pelo trabalho artesanal, pelo cuidado com a manufatura das tintas e telas, pelas festas populares e temas religiosos, pelo casario vernacular, assim como pelas referências do modernismo brasileiro e da história da arte europeia e sua tradição pictórica. Nascido na Itália em uma família de origem trabalhadora, o artista emigrou ainda criança para São Paulo. No período inicial de sua produção, foi antes operário que propriamente artista e esteve em meio às movimentações políticas da década de 1920 que geraram as primeiras organizações proletárias e anarquistas, distante do circuito de vanguarda que organizou a Semana de 22. Sua obra revela referências não somente a elementos da cultura popular brasileira, mas também a uma vivência laboral marcada pelo contato profundo com técnicas manuais, paralela às vertentes modernistas e fora do eixo das capitais de Rio-São Paulo — passando por Itanhaém, litoral paulista, e Mogi das Cruzes, interior de São Paulo. A produção inicial de Volpi é marcada pela prática autodidata que iniciou em 1911 e voltada para paisagens urbanas e rurais, ainda distante do estilo que o consagraria. Na década de 1930, Volpi começa a se aproximar de outros artistas de São Paulo, destacadamente os do Grupo Santa Helena, como Ernesto de Fiori (1884-1945) e Rossi Osir (1890-1959). Nesse período, dá também início às pinturas de santos para reprodução em retrogravuras como forma de subsistência. Embora não o tivesse inicialmente como trabalho autoral, o tema das imagens religiosas acabou se misturando à sua produção artística, que se acentuou durante a década de 1940. Segundo Tomás Toledo, curador da exposição, “o interesse pelo popular ganhou corpo a partir da década de 1940, quando passa a realizar retratos religiosos, representações de festejos populares e das fachadas de arquitetura vernacular e colonial brasileira”. Destaca-se nesta mostra a representação de santas e santos, em que se ressalta a figura de Maria com Jesus menino, uma das mais frequentes nessa série de obras de Volpi. O trabalho mais antigo no núcleo dedicado ao tema é a pintura Sem título (Madona com Menino) (1947), uma abordagem radical de Maria e do menino Jesus negros, algo incomum na tradição pictórica dessas figuras e que, segundo Toledo, vai “contra a representação eurocêntrica e branca dos personagens do catolicismo”, algo também pouco discutido em exposições anteriores sobre a obra do artista. A década de 1940 marca ainda o início das representações de festejos e fachadas da arquitetura vernacular e colonial brasileira, em uma imersão no interesse pelo popular. Já na década seguinte, Volpi passa a sintetizar suas composições, tornando sua figuração cada vez mais geometrizada, com padrões, formas e temas recorrentes — como as famosas bandeirinhas, mastros, faixas, fachadas e ogivas — que desenvolveu até o final da carreira. Sua obra passa a ganhar as características formais que tanto o tornaram conhecido com sua pintura de espaços planificados, dotada de campos cromáticos bem definidos mas de contornos irregulares, marcados pelo uso sensível e sutil da cor e pela textura áspera da sua têmpera. Nesse período, o artista se insere cada vez mais no circuito das artes, participando das primeiras bienais de São Paulo e desenvolvendo diálogos com interlocutores como Mário Pedrosa (1900-1981) — que descreveu o artista como “o mestre de sua época” — e Walter Zanini (1925-2013). Diferentemente das discussões críticas e estéticas em voga entre os membros da vanguarda, Volpi optou por navegar pelas reflexões sobre a prática e a repetição do fazer. Para o curador da mostra, “a repetição tornou-se ainda um elemento-chave na produção do artista, tanto de modo estético — na reprodução exaustiva de certos temas, como bandeirinhas, ogivas e mastros — quanto processual, repetindo certo modo de fazer, de pintar, que se modificava de forma sutil com o transcorrer do tempo, sem perder uma identidade muito bem estabelecida”. CATÁLOGO Acompanhando a mostra, será publicado o mais amplo catálogo sobre o artista num único volume, contendo ilustrações de todas as obras exibidas, textos inéditos de Adele Nelson, Antonio Brasil Jr., Aracy Amaral, Kaira Cabañas, Nathaniel Wolfson, Sônia Salzstein e Tomás Toledo, uma nota biográfica escrita por Matheus de Andrade e duas entrevistas históricas com o artista feitas por Mário Pedrosa e Walmir Ayala. Com design de Paulo Tinoco, do Estúdio Campo, será publicado em capa dura e em duas edições separadas nas línguas portuguesa e inglesa. A distribuição internacional será realizada por Karen Marta Editorial Consultant e Distributed Art Publishers, nos Estados Unidos. R$ 185. 20% de desconto no MASP Loja, online ou física, cumulativo com o desconto do programa Amigo MASP.

 

 

Entrada actualizada el el 03 jun de 2022

¿Te gustaría añadir o modificar algo de esta ficha?

Infórmanos si has visto algún error en este contenido o eres este artista y quieres actualizarla. ARTEINFORMADO te agradece tu aportación a la comunidad del arte.

¿Quieres estar a la última de todas las exposiciones que te interesan?

Suscríbete al canal y recibe todas las novedades.

Recibir alertas de exposiciones

Plan Avanzado

¡Posiciona tu galería o museo a través de nuestra plataforma!

  • Publica y promociona hasta 500 obras de tus artistas.
  • Contacta con tus clientes potenciales desde cada una de ellas ¡No cobramos comisiones!
  • Da mayor visibilidad a tus eventos o exposiciones ¡Te garantizamos un acceso destacado a todas ellas!
  • Accede al Algoritmo de ARTEINFORMADO y mantente informado sobre los artistas con mayor crecimiento en los últimos 5 años.
  • Conecta con la gente del sector como artistas o coleccionistas a través de sus fichas.
Promociones arteinformado
Exposición Online
29 jul de 2021 - 29 jul de 2022

Online

Exposición
24 jun de 2022 - 14 oct de 2022

Biblioteca del Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía / Madrid, España

Premio
01 oct de 2021 - 31 ago de 2022

Madrid, España

Formación
27 jun de 2022 - 01 jul de 2022

Museo Nacional del Prado / Madrid, España

¿Quieres estar a la última de todas las exposiciones que te interesan?

Suscríbete al canal y recibe todas las novedades.

Recibir alertas de exposiciones