Enseña tus OBRAS en ARTEINFORMADO. ¡Cada día, más personas las miran!
Aaron Vincent Elkaim — Cortesía de Encontros da Imagem
11
sep 2020
31
oct 2020

Compártelo

Cuándo: 11 sep de 2020 - 31 oct de 2020
Inauguración: 11 sep de 2020
Dónde: Galeria do Paço da UMinho / Largo do Paço / Braga, Portugal
Organizada por: Universidade do Minho
Artistas participantes: Aaron Vincent Elkaim
Etiquetas:
Eventos relacionados: 30º Encontros da Imagem - Festival Internacional de Fotografia e Artes Visuais
Publicada el 11 sep de 2020      Vista 4 veces

Descripción de la Exposición

Os planos para o Complexo da Barragem de Belo Monte começaram em 1975 no auge de uma ditadura militar no Brasil. Iria ser construído no rio Xingu, lar da primeira reserva indígena do Brasil. Em 1989, os Kayapo, uma tribo de guerreiros temendo pela saúde do rio que os sustentava, montou uma campanha pública massiva em oposição a esta construção. Os financiadores internacionais prontamente retiraram o seus apoios e o projeto foi arquivado. Em 2007, o Brasil anunciou o Programa de Crescimento Acelerado. Um dos pilares foi a construção de mais de 60 grandes projetos hidroelétricos na Amazónia nos 15 anos que se seguiam, com Belo Monte em primeiro plano. A energia gerada abasteceria iniciativas de mineração e movimentaria cidades a milhares de quilômetros de distância. Quase concluída, Belo Monte é considerada a quarta maior barragem do mundo, e desalojou quase 40.000 pessoas. As barragens hidroeléctricas são apontadas como fontes limpas e renováveis de energia, porém o impacto das grandes barragens é imenso, são centenas de quilómetros quadrados de terras inundadas e ecossistemas fluviais transformados permanentemente, reservas de peixes devastadas, e alterações na qualidade da água da qual os povos dependem. Na Amazónia, são libertadas grandes quantidades de metano, um poderoso gás de efeito estufa, enquanto novas infraestruturas, população e crescimento económico abrem as portas da floresta para o aumento da extração de madeira, mineração e agricultura. O resultado é uma erosão acelerada da Floresta Amazónica e o sacrifício de culturas e comunidades que dependem dos ecossistemas fluviais e florestais para a sua subsistência.

Actualizado

el 11 sep de 2020