Exposición en Lisboa, Portugal

Fenestra

Dónde:
Galeria Vera Cortês / Rua Joao Saraiva, 16 - 1 / Lisboa, Portugal
Cuándo:
14 may de 2021 - 12 jun de 2021
Inauguración:
14 may de 2021 / 14 a 21 h.
Precio:
Entrada gratuita
Organizada por:
Artistas participantes:
Promociones arteinformado
Descripción de la Exposición
Prisioneiros na Cidade Global Desde 2014 que Vhils (Alexandre Farto) filma, em velocidades extremamente lentas, vistas banais de cidades de todo o mundo: Beijing, Cincinnati, Hong Kong, Lisboa, Los Angeles, Macau, Mexico City, Paris e Shanghai, são algumas das cidades onde trabalhou e que aqui nos envolvem e prendem. Em 2018, nos espaços do centro cultural Cent Quatre, em Paris, Vhils apresentou uma primeira versão do conjunto desses registos urbanos. Tratava-se de uma sequência de projecções planas cada uma dela simulando, pela sua dimensão, a monumentalidade dos ecrãs panorâmicos. A escala estabelecida entre a imagem projectada e o espectador criava um confronto directo deste com os espaços urbanos registados, com a arquitectura envolvente, os peões e carros passantes. O espectador seguia a lenta deslocação dos elementos visuais registados em cada “panorama” e integrava- -se neles alterando sem disso se aperceber a sua própria velocidade de circulação no espaço da exposição. Agora, na Galeria ... Vera Cortês, fragmentos dessas mesmas cidades são projectados nas quatro paredes de um espaço contido e interior. A solução encontrada é inteiramente diversa. Segundo uma lógica de carroussel de imagens as cidades sucedem- -se/encadeiam-se num travelling infinito e o espectador é rodeado pela corrente de imagens sem delas se conseguir libertar, como se estivesse preso numa armadilha visual. A banalidade das tomadas de vista em cada cidade (exibindo raramente sinais de fácil reconhecimento de cada uma delas) confunde-as entre si e obriga-nos a um constante jogo de identificação. O registo não-ficcional, mas documental ou evocativo dos registos simples das câmaras de vigilância separa este projecto de justificações estetizantes, auto-referenciais ou procuradas na história da arte. Esse baralhar de referências, esse confinamento espacial, mas também o regime que rege o fluxo visual proposto, são elementos essenciais na definição daa situação de sujeição e constrangimento do espectador - o ritmo lento das imagens obriga-nos a um tempo de atenção/observação que se revela incómodo e nos conduz à exasperação; ou somos tomados, nesse rodopio, por uma espécie de fascinação e vertigem horizontal. Vhils usa registos obtidos num tempo pré-pandémico nas grandes metrópoles do mundo globalizado. Ou seja, Vhils trabalhou estas imagens num mundo ainda acelerado e vertiginoso que se considerava imune a todo retrocesso e a qualquer travagem. Mas, ao submeter as imagens banais que foi recolhendo a uma brutal desaceleração, Vhils como que antecipou a crise que agora vivemos - ao mito da velocidade moderna, contemporânea (e mesmo pós-moderna) contrapôs uma lentidão metafórica inusitada que 2020 tornou real, embora não se tenha encontrado ainda nem nome nem ideologia para a definir. O habitante anónimo das cidades tal como Gogol, Poe ou Baudelaire o definiram no séc. XIX, a quem o séc. XX acentuou as características de isolamento e massificação, transformando-o de personagem literário em personagem fílmico, é confrontado, agora e aqui, com a sua própria impotência e desespero finais. O corpo e o destino global dos seres globais de todas as cidades do mundo existem e são mergulhados aqui numa atmosfera demasiado densa para que possam deslocar-se normalmente; e os acontecimentos simples que protagonizam (atravessar uma rua, andar num passeio, encontrar um interlocutor, olhar uma fachada), ao desenvolverem-se no ritmo de arrastamento que lhes é imposto, como que ficam impedidos de realmente se concluirem, ou somos nós, espectadores, que ficamos impedidos de assistir à sua conclusão - tudo fica suspenso num entre-tempo que se eterniza. A lentidão que estas obras apresentam, não resulta numa travagem capaz de nos conduzir a uma plataforma de descanso; nem a desaceleração a que nos obrigam nos conduz a qualquer porto de paz. A verdade é que nós mesmos - não importa o tempo nem a velocidade, não importa o nosso estatuto nem nome da cidade em que vivemos - ficamos prisioneiros da mesma armadilha que prende todos figurantes destes vastos frescos urbanos concebidos por Vhils. Lisboa, 30 Abril 2021 João Pinharanda --------------------------- O artista português Alexandre Farto aka Vhils (n. 1987) tem desenvolvido uma linguagem visual singular com base na remoção das camadas superficiais de paredes e outros suportes através de ferramentas e técnicas não convencionais, estabelecendo reflexões simbólicas sobre a identidade,a relação de interdependência entre pessoas e o meio circundante, e a vida nas sociedades urbanas contemporâneas, assim como o impacto do desenvolvimento, da passagem do tempo e da transformação material. Tendo começado a interagir com o espaço urbano através da prática do graffiti no começo da década de 2000, Vhils tem sido aclamado como um dos mais inovadores artistas da sua geração. Os seus poéticos e comoventes retratos gravados em paredes delapidadas podem ser vistos a adornar paisagens urbanas pelo mundo fora. Com base na sua estética do vandalismo, Vhils destrói para criar – entalhando, cortando, perfurando e fazendo explodir através das camadas dos materiais. Porém, como um arqueólogo, Vhils remove de forma a expor, revelando a beleza que se encontra soterrada sob a superfície das coisas. Desde 2005, já apresentou o seu trabalho em mais de 30 países à volta do mundo em exposições individuais e colectivas, intervenções site-specific, eventos e projectos artísticos em contextos vários – de trabalhos comunitários em favelas no Rio de Janeiro a colaborações com reputadas instituições artísticas e museológicas como o Contemporary Arts Center, Cincinnati (2020); Le Centquatre-Paris, Paris (2018); CAFA Art Museum, Pequim (2017); Hong Kong Contemporary Art Foundation, Hong Kong (2016); Palais de Tokyo, Paris (2016); Fundação EDP, Lisboa (2014); e o Museum of Contemporary Art San Diego, San Diego (2010), entre outras. Um ávido experimentalista, além da sua inovadora técnica de escultura em baixo-relevo – que forma a base do projecto “Scratching the Surface” –, Vhils tem desenvolvido a sua estética pessoal numa multiplicidade de suportes: da pintura com stencil à gravura em metal, de explosões pirotécnicas e vídeo a instalações esculturais. Também já realizou vários videoclipes, curtas metragens e duas produções de palco. Encontra-se representado em diversas colecções públicas e privadas em vários países.

 

 

Entrada actualizada el el 14 may de 2021

¿Te gustaría añadir o modificar algo de esta ficha?

Infórmanos si has visto algún error en este contenido o eres este artista y quieres actualizarla. ARTEINFORMADO te agradece tu aportación a la comunidad del arte.

¿Quieres estar a la última de todas las exposiciones que te interesan?

Suscríbete al canal y recibe todas las novedades.

Recibir alertas de exposiciones

Plan básico

Si eres artista o profesional… ¡Este plan te interesa! (y mucho)

  • Sube y promociona eventos y exposiciones que hayas creado o en los que participes ¡Multiplicarás su visibilidad!
  • Podrás publicar (y también promocionar) hasta 100 obras tuyas o de tus artistas. ¡Conecta con tus clientes desde cada una de ellas!
  • Disfruta de acceso a todo el contenido PREMIUM y al Algoritmo ARTEINFORMADO (Ecosistema AI e Indice AI de Notoriedad de artistas iberoamericanos).
  • Mantendremos actualizada tu ficha o la de tus artistas. Además, podrás contactar con los gestores de otras.
Promociones arteinformado
Exposición Online
Exposición
11 jun de 2021 - 06 feb de 2022

Museo Guggenheim Bilbao / Bilbao, Vizcaya, España

Premio
08 jun de 2021 - 10 sep de 2021

Madrid, España

¿Quieres estar a la última de todas las exposiciones que te interesan?

Suscríbete al canal y recibe todas las novedades.

Recibir alertas de exposiciones