Recomposition 1, 2016, pigment print on resin-coated paper, 100 x 150 cm, Ed. 1/3 + 2 A.P. – Cortesía de Caroline Pagès Gallery
Evento finalizado
03
feb 2018
29
mar 2018

Compártelo en redes

Cuándo: 03 feb de 2018 - 29 mar de 2018
Inauguración: 03 feb de 2018
Precio: Entrada gratuita
Dónde: Caroline Pagès Gallery / Rua Tenente Ferreira Durão, 12 - 1° Dto. [Campo de Ourique] / Lisboa, Portugal
Organizada por: Caroline Pagès Gallery
Artistas participantes: Manuela Marques
Publicada el 26 ene de 2018      Vista 118 veces

Descripción de la Exposición

Surfaces sensibles é a nova proposta de Manuela Marques para a sua quarta exposição individual na Galeria Caroline Pagès em Lisboa que reúne um conjunto de fotografias na linha daquelas que revelou para a sua recente exposição em Reims (Le Cellier, 2017) intitulada A Força de Coriolis. Sobre essa exposição, a comissária Audrey Illouz escreveu o texto seguinte: A placidez de um lago A exposição, cujo título remete para um fenómeno físico relacionado com o estudo dos ventos, é atravessada pelo sopro. A imaterialidade do sopro faz com que ele seja difícil de captar e representar. Uma bolha de sabão, uma mão colocada à frente de um rosto, um papagaio rasgado que ficou preso no cume de uma árvore e uma garrafa que rodopia, transformada em catavento, são indícios que chamam a nossa atenção para este elemento vital que emana tanto da atividade humana como da natureza. Bolhas A imagem da bolha de sabão, recorrente na exposição, constitui um primeiro indício dessa materialização do sopro. Devido ao seu cariz efémero que relembra a fugacidade da vida, esta esfera transparente inscreve-se totalmente na tradição pictural da vaidade (de Jacob De Gheyn a Chardin, passando por Manet) para evocar agora um contraponto contemporâneo, uma variação sobre o tema Homo bulla est (“O Homem é uma bolha”.) No vídeo O Soprador, o enquadramento apertado do soprador de bolhas remete, como na Bolha de sabão de Chardin, para um exercício de concentração. Porém, o homem que se encontra à nossa frente não passa de um vendedor ambulante cujo trabalho é dos mais precários, arrastado pela agitação da megalópole. O esforço de concentração também assume uma dimensão social subjacente. Pousada na palma da mão, a bolha torna visível o espetro de luz e parece estar prestes a rebentar (Mão 3). Quando substitui um broto nos ramos de uma árvore, com uma tensão entre a vida e a morte, ela transforma-se em brinquedo ótico, espelho do mundo contrariado e desdobrado (Bolha 1). Invertendo a paisagem que produz, a bolha também relembra a camera obscura e parece invocar o próprio ato fotográfico. Surfaces sensibles Ora, os jogos óticos, reflexos, aberrações e outras ilusões são omnipresentes nesta exposição onde a presença do espelho é recorrente. O espelho é nomeadamente fotografado no palácio de Versalhes onde a artista esteve em residência entre 2014 e 2016. Nos espaços labirínticos do palácio, Manuela Marques fotografa o reflexo dos espelhos e o emaranhado de portas, criando uma sensação de perda de referências vertiginosa (Espelho 3). Autorizada a trabalhar em espaços inacessíveis ao público, a artista interessou-se por grandes superfícies vidradas onde o sincelo bloqueia a visão (Vidro 8). Porém, podemos distinguir as inscrições deixadas por visitantes anónimos, desejosos de assinalar a sua passagem pelo local. Essa superfície que relembra um daguerreótipo alterado também evoca as origens da fotografia. Aqui, existe uma tensão entre a representação e a abstração. A representação apaga-se para oferecer uma experiência de perceção limite, como em Lago 1 e 2, onde a visão também parece obstruída. A superfície do lago é monocromática, leitosa e impenetrável em vez de refletora. Devemos olhar fixamente para a imagem para que essa superfície mostre, por cima e por baixo dela, as plantas que escapam ao primeiro olhar. É então que o Lago de águas plácidas aparece como uma metáfora da superfície sensível sobre a qual a imagem é revelada. Espelhos negros A fotógrafa introduziu recentemente um elemento de encenação na paisagem, uma placa negra em PVC, superfície refletora capaz de perturbar a visão. A fotografia intitulada A Travessia funciona por sua vez como um indicador já que revela o dispositivo, inserindo-o em simultâneo na composição da imagem. O homem que atravessa o campo visual e cujo rosto está dissimulado pelo ecrã que transporta funde-se na paisagem. Justapõem-se dois fragmentos de paisagem. Nessa tensão entre presença e desaparecimento, o corpo segue uma estratégia de camuflagem que reaparece noutros retratos. A Braçada deixa adivinhar um corpo cujo rosto inacabado está coberto de flores. Um bloco de gelo que encarcera vegetais substitui o rosto de forma transitória (Bloco 1). Em A Travessia, a superfície negra esgueira-se pela paisagem e relembra o espelho do mesmo tom, esse instrumento ótico utilizado pelos pintores de paisagens e popularizado por Claude Lorrain, cuja superfície ligeiramente convexa e tingida permitia isolar o assunto a tratar e determinar o enquadramento. Na fotografia Caminho 1, o espaço que se apresenta ao espectador é apenas o reflexo (a curva da estrada é impossível). A experiência lembra aquela que sentimos perante os reflexos dos espelhos de Dan Graham na paisagem. Travessando uma moradia em Double Exposure, a paisagem natural, a fotografia e a arquitetura feita de espelhos interferem. Embora a relação interpessoal e a dimensão in situ não estejam em jogo no trabalho de Manuela Marques, este fragmento fotográfico restitui o caminho ao primeiro plano, inserindo um orifício na paisagem de fundo. O enquadramento recria uma profundidade, oferecendo ao espectador um espaço de projeção. Todo o nosso corpo se insere na imagem, como é o caso em Rocha, uma impressão com fundo azul à escala de uma calha de pendurar quadros, onde o reflexo e o real estão ao mesmo nível porque se encaixam e justapõem. É esse dispositivo que está em ação no vídeo A Força de Coriolis. As pedras que como móbiles, giram em movimentos contrários, provêm de recomposições onde o objeto e o seu reflexo também estão ao mesmo nível. O desdobramento que atravessa as obras de Manuela Marques e faz eco da arquitetura do Cellier e dos seus dois vãos, reaparece no percurso da exposição, perturbando a perceção. Os elementos repetitivos (bolhas, pedras, espelhos e vidros) assumem uma tensão reflexiva. A exposição oscila entre opacidade e revelação, representação e abstração, presença e desaparecimento e convida a reconsiderar o próprio ato fotográfico. Audrey Illouz (Traduzido do francês por Irène Leclerc)

Actualizado

el 27 mar de 2018 por ARTEINFORMADO

Contactar

¿Quieres contactar con el gestor de la ficha?

Descubre más obras en ARTEINFORMADO

{{ artwork.title | limitTo:16 }}, {{ artwork.year }}
{{ artwork.artistName | limitTo:28 }}

Noticias relacionadas

Compártelo en redes
ArtCity

Descárgate ArtCity, la app que te dice que exposiciones tienes cerca.

Más información

¡Suscríbase y reciba regularmente nuestro Boletín de Noticias del Mercado del Arte!

Suscribirme
volver arriba