¿Quién va a liderar el Área de Educación del Museo Reina Sofía los próximos cinco años? ¡Aquí lo puedes descubrir!
Matt Mullican – Cortesía de Cristina Guerra Contemporary Art
Evento finalizado
21
sep 2018
16
nov 2018

Compártelo en redes

Cuándo: 21 sep de 2018 - 16 nov de 2018
Inauguración: 21 sep de 2018 / 22:00
Precio: Entrada gratuita
Dónde: Cristina Guerra Contemporary Art / Rua Santo António à Estrela, 33 / Lisboa, Portugal
Organizada por: Cristina Guerra Contemporary Art
Artistas participantes: Matt Mullican
Enlaces oficiales Web 
Publicada el 29 dic de 2017      Vista 109 veces

Descripción de la Exposición

Apresentando uma nova série de pinturas em grande escala, a exposição “What do they feel?” de Matt Mullican mergulha no universo molecular do interstício corporal de “That Person” (aquela pessoa), ou Glen, o alter ego que o artista vem a desvendar desde as suas primeiras incursões sobre hipnose em 1973. Sem género, idade, ou raça “That Person” tornou-se o veículo anónimo através do qual Mullican explora uma dimensão paralela expressiva, dando liberdade à gestualidade catártica. Não por isso deixa a mesma de ser sistematizada e minuciosamente organizada, demonstrando após 45 anos de carreira um universo sintáctico, pictórico, e conceptual que se torna o cerne cosmológico da sua obra prolífica, que se expande pelos campos da performance, escultura, pintura e instalação. “All I see are light patterns”, diz-nos o artista em 1972, desmontando o espectro de luz num código do real visível: verde traduz os elementos naturais; azul, o mundo; amarelo, a cultura; preto e branco, a linguagem; vermelho, a mente. Dois dos cinco níveis da sua ordem cosmológica podem ser identificados na série de pinturas "Untitled", representando close-ups anatómicos de paisagens celulares, quase industriais, que se tornam aproximações à complexidade ramificada de um urbanismo citadino abstracto. Nestas pinturas, que parecem elas mesmas partir de amostras laboratoriais, submergimos na engrenagem molecular psicadélica e ziguezagueante de tecidos entrelaçados, perdidos algures entre diagramas metabólicos e estruturas biónicas. Já em What My Eyes See, 2018, podemos encontrar o corpo de “That Person” refractado através do mesmo espectro de cor, desta vez decomposto através de pedras pintadas expostas sobre uma base de cama. O espaço interpretativo criado por Mullican, interliga mundos pop, brut, conceptuais e minimalistas, recorrendo a estratégias de redução gráfica que dominam o território formal da sua práctica artística. Estas sugerem um intervalo entre um espaço semiótico altamente codificado, onde pictogramas e signos criam alfabetos enciclopédicos, e uma destreza expressiva que se inspira na escrita automática. Técnicas como a frottage – que o artista identifica como o primeiro meio de reprodução, onde a transferência de energia traduz informação simbólica – tornam-se centrais à sua obra e são aqui pela primeira vez apresentadas sobre fotografias impressas em tela, na série Untitled (Yellow Monster 24) de 2018. A mesma técnica é também aplicada na série Untitled (Dead Man Nr.1-4), 2018, para dar corpo a desenhos abstractos que partem de estilizações de fotografias da guerra civil americana (1861-65). Reduzidas a linha através de um suporte digital, esta série de quatro pinturas desenvolve-se a partir de uma estratégia de síntese formal, onde paisagem e corpo se fundem num plano em abstracção. Os limites da representação objectiva são postos à prova quando Mullican disseca as componentes espaciais do campo representado, depurando o seu conteúdo e relembrando-nos do papel da arte como interface decodificador do real. A redução da linha e componentes pictóricos da obra apelam também à reflexão sobre a própria condição liminar da morte, bem como o debate ético sobre a sua representação nos media, tendo em conta a circulação excessiva de imagens de guerra hoje em dia, e a replicação das mesmas, o que poderá conduzir a um estado generalizado de imunidade sensorial, ou mediaticidade desmedida. Não obstante, Untitled (Dead Man Nr.1-4) alude também à revisitada série Dolls Head Posters e à obra Dead Man and Doll de 1973, que inclui subtítulos desenhados pelo próprio artista. A mesma tipografia está presente na série That Person lives, 2018, que descreve acções quotidianas de “That Person”, ou Glen, o passageiro íntimo de Mullican, que é introduzido aqui na repetição rítmica da sua anonimidade mundana. Margarida Mendes ----------------------------------------- Matt Mullican nasceu em Santa Monica, Califórnia e vive e trabalha entre Berlim e Nova Iorque. Recentemente expos o seu trabalho no Hangar Bicocca em Milão na mais ampla retrospectiva até à data, intitulada “The Feeling of Things”. Graduou-se no California Institute of the Art, Valencia em 1974 e desde então participou em importantes exposições entre as quais se destacam: XXVIII Bienal de São Paulo; DOCUMENTA VII, IX e X, Kassel; “Organizing the World”, Haus der Kunst, Munique; “12 by 2”, Institut d’Art Contemporain, Villeurbanne; STUK Kunstencentrum, Leuven; “Pictures Generation: 1974-1984”, Metropolitan Museum of Art, NY; “Matt Mullican: A Drawing Translates the Way of Thinking”, The Drawing Center, NY.

Actualizado

el 31 oct de 2018 por ARTEINFORMADO

Descubre más obras en ARTEINFORMADO

{{ artwork.title | limitTo:16 }}, {{ artwork.year }}
{{ artwork.artistName | limitTo:28 }}

Noticias relacionadas

Compártelo en redes
Traducción e interpretación
ArtCity

Descárgate ArtCity, la app que te dice que exposiciones tienes cerca.

Más información

¡Suscríbase y reciba regularmente nuestro Boletín de Noticias del Mercado del Arte!

Suscribirme
volver arriba